Inglês

narcissism has become a very prevalent pathology has been confirmed by numerous p~ychologists.~~ For example, Joel Whitebook writes that the patients currently seen by analysts increasingly suffer “from disorders of the very self” because they have not “sufficiently traversed the requirements of the pre-Oedipal period”. Such patients frequently mask their suffering with “grandiose, narcissistic fantasies”.46W hitebook also cites the American psychoanalyst Heinz Kohut for whom “narcissism is to our time as hysteria was to Freud’s. Just as the investigation of the hysteric led Freud to a critique of the sexual repressiveness of Victorian society, so the study of narcissism leads to the pathogenic core of ours” (HM, 151). One may concede that the authoritarian personality type is too false a generalisation. However, it would appear as if the prevalence of narcissism, which Adorno was one of the first to diagnose and explore, has found empirical confirmation. I11 The individual psyche and the social totality intersect in the “pre-social” libido. Adorno wrote: “if radical psychoanalysis focuses on the libido as something pre- social, it reaches that point where the social principle of domination coincides with the psychological one of the repression of instincts both ontogenetically and phylogenetically” (RP, 27). The modification and integration of the “pre- social” instincts or drives is reinforced by the various psychological techniques specific to nazism and the culture industry; these techniques include the reanimation of superego introjects and the use of stereotypes. It is not simply introjection or internalisation but also these techniques which account for the interaction between society and the individual and explain the individual’s integration. Such integration can also be attributed to the changes within capitalism which led to increased reification as well as to the erosion of the bourgeois patriarchal family. Of course, Adorno did not claim that integration was or ever could be complete. On this point, Habermas accuses him of setting up a “false antagonism between the domain of the organism, which is described in biological terms, and the domain of the social apparatus, which invades the individual from outside” (HM, 212). For Habermas, it would ”make more sense to attempt to integrate both disciplines from the beginning within the sm conceptual framework” (HM, 213). Yet, as Jay points out in the passage I cited at the beginning of the paper, Adorno did not believe that what was sundered in reality should be reconciled or integrated in thought. There is a very real antagonism between the individual’s unsatisfied instincts and the demands of the social totality-an antagonism which one should not occlude in order to make theorising easier. Adorno cautioned that the “resolution of-the antinomy of universal and particular remains mere ideology as long as the instinctual renunciation society expects of the individual neither can be objectively justified 0 The Exccutire Management Committec/BIackwell PuMishera Ltd. 1995 210 Dcbwah Cook as true and necessary nor later provides him with the delayed gratification” (SP2, 85). Given the antinomy between the institutions and structures of the socio-economic system and the instincts of the individuals within it, integration has liits. The problem with even such limited “integration” is that it is bought at a price which the individual should not have to pay. Within late capitalist societies, individuals are forced to renounce the satisfaction of many instincts in order to fulfil socio-economic interests. Such renunciation is defended with seemingly rational arguments and calculations but remains largely irrational. It is ultimately fear, hammered in by capitalism and reinforced by the culture industry, which promotes conformity. The apparent rationality of the economy conceals its true basis in “physical coercion, . . . bodily torment, a material moment that transcends both immanently economic ‘material incentives’ and the intrapsychic instinctual economy” (SP1, 71-2). Fear of physical annihilation, the loss of the means of subsistence, makes people cling in desperation ”to the now highly problematic and largely absurd quest for material goods of civilization which economically rational behaviour is supposed to guarantee them . . .; and the communications media play their part in keeping them in line” (SPl , 7 1). Despite such fear, the individual’s capacity to resist has not been compromised completely. Most commentators fail to realise this. For example, Joel Whitebook claims that while Adorno’s use of Freud‘s id psychology allowed him to “dramatize the conflict between the individual and society, and demonstrate the depth psychological consequences of social oppression in a way that was unique in Marxism”, it also had the consequence of preventing him “fiom conceiving the condition of the possibility of a free society” (HM, 144). Along with Herbert Marcuse, who took up and developed many of the ideas contained in “Die Revidierte Psychoanalyse” in his Ems and Ciuid&&n~:~ Adorno’s analysis of industrial societies is supposedly so bleak that only an “eschatological rupture” could break with prevailing modes of repression and reinforcement. Although Whitebook‘s interpretation of the prospects for emancipation in Adorno’s theory is not entirely correct, Adorno was certainly more pessimistic than not about such prospects. Nonetheless, a theory cannot be rejected on the grounds that it is bleak and pessimistic since, though pessimistic, the theory may also help to explain a really existing state of affairs. For all its pessimism, however, Adorno’s theory is not without its elements of hope. In a very early essay, ‘Thesen tiber BedtiM, Adorno pointed out that the culture industry encourages a false reconciliation with the social order by preparing individuals for the reproduction of labour power and by forcing “their needs to harmonise with their employers’ interests in profit and domination”. Adorno also speculated that the culture industry would probably cease to exist in a society which satisfied needs that had not been hammered in and accepted out of fear. A more rationally and instinctually robust individual would not need the satisfactions provided by cultural commodit- 0 The Executive Management Commitrce/Bkkwcll Publishen Ltd. 1995 lh Sundcred Titali& AdomoS Fd-MasXirm 211 ies. Yet, even here and now: if“produCti0n waforthwith uncondiCti0naLy andunrestrainedb reoganised for the satisfation of needs- and espeklb fm those needs produced by capitalism-nee& helves would be transformed de&ivev.48 Given the irreconcilable antinomy between the socio-economic system and individual instincts, the instincts represent a potentially explosive force. Once detonated, such a force could lead to a qualitatively different social and economic order

Português

o narcisismo tornou-se uma patologia muito prevalente foi confirmado por inúmeros psicólogos. Por exemplo, Joel Whitebook escreve que os pacientes atualmente atendidos por analistas sofrem cada vez mais "de desordens do próprio eu" porque não "atravessaram suficientemente os requisitos" do período pré-edipiano ”. Tais pacientes freqüentemente mascaram seu sofrimento com "fantasias grandiosas e narcísicas" .46 O hitebook também cita o psicanalista americano Heinz Kohut, para quem "o narcisismo é para nossos dias como a histeria era para Freud". Assim como a investigação histérica levou Freud a uma crítica à repressão sexual da sociedade vitoriana, o estudo do narcisismo leva ao nosso núcleo patogênico ”(HM, 151). Pode-se admitir que o tipo de personalidade autoritária é uma generalização muito falsa. No entanto, parece que a prevalência de narcisismo, que Adorno foi um dos primeiros a diagnosticar e explorar, encontrou confirmação empírica. I11 A psique individual e a totalidade social se cruzam na libido "pré-social". Adorno escreveu: “se a psicanálise radical se concentra na libido como algo pré-social, chega a um ponto em que o princípio social da dominação coincide com o psicológico da repressão dos instintos ontogênicos e filogeneticamente” (RP, 27).A modificação e integração dos instintos ou impulsos “pré-sociais” é reforçada pelas várias técnicas psicológicas específicas do nazismo e da indústria cultural; essas técnicas incluem a reanimação de introjetos de superego e o uso de estereótipos. Não é simplesmente introjeção ou internalização, mas também essas técnicas que explicam a interação entre a sociedade e o indivíduo e explicam a integração do indivíduo. Essa integração também pode ser atribuída às mudanças no capitalismo que levaram ao aumento da reificação, bem como à erosão da família patriarcal burguesa. Obviamente, Adorno não afirmou que a integração era ou poderia estar completa. Nesse ponto, Habermas o acusa de estabelecer um "falso antagonismo entre o domínio do organismo, descrito em termos biológicos, e o domínio do aparato social, que invade o indivíduo de fora" (HM, 212). Para Habermas, "faria mais sentido tentar integrar ambas as disciplinas desde o início, dentro da estrutura conceitual do sm" (HM, 213). No entanto, como Jay salienta na passagem que citei no início do artigo, Adorno não acreditava que o que se separava na realidade deveria ser reconciliado ou integrado no pensamento.Existe um antagonismo muito real entre os instintos insatisfeitos do indivíduo e as demandas da totalidade social - um antagonismo que não se deve ocluir para facilitar a teorização. Adorno alertou que a “resolução da antinomia entre universal e particular permanece mera ideologia enquanto a sociedade de renúncia instintiva espera do indivíduo, nem pode ser objetivamente justificada 0 Comitê de Gerenciamento da Exccutire / BIackwell PuMishera Ltd. 1995 210 Dcbwah Cook, como verdadeiro e necessário, nem mais tarde lhe fornece a gratificação tardia ”(SP2, 85). Dada a antinomia entre as instituições e as estruturas do sistema socioeconômico e os instintos dos indivíduos dentro dele, a integração está limitada. O problema com essa “integração” limitada é que ela é comprada a um preço que o indivíduo não deveria ter que pagar. Nas sociedades capitalistas tardias, os indivíduos são forçados a renunciar à satisfação de muitos instintos, a fim de satisfazer interesses socioeconômicos. Essa renúncia é defendida com argumentos e cálculos aparentemente racionais, mas permanece em grande parte irracional. É o medo, enfraquecido pelo capitalismo e reforçado pela indústria cultural, que promove a conformidade. A aparente racionalidade da economia oculta sua verdadeira base na “coerção física,. . .tormento corporal, um momento material que transcende os 'incentivos materiais' econômicos imanentes e a economia instintiva intrapsíquica ”(SP1, 71-2). O medo da aniquilação física, a perda dos meios de subsistência, faz com que as pessoas se apeguem em desespero ”à agora altamente problemática e absurda busca por bens materiais da civilização que o comportamento economicamente racional os garanta. . .; e os meios de comunicação desempenham seu papel em mantê-los alinhados ”(SPl, 7 1). Apesar de tanto medo, a capacidade de resistência do indivíduo não foi completamente comprometida. A maioria dos comentaristas não consegue perceber isso. Por exemplo, Joel Whitebook afirma que, embora o uso da psicologia id de Adud por Adorno lhe permitisse “dramatizar o conflito entre o indivíduo e a sociedade e demonstrar as profundas consequências psicológicas da opressão social de uma maneira única no marxismo”, ele também teve a consequência de impedi-lo de "conceber a condição da possibilidade de uma sociedade livre" (HM, 144).Junto com Herbert Marcuse, que adotou e desenvolveu muitas das idéias contidas em "Die Revidierte Psychoanalyse" em seus Ems e Ciuid && n ~: ~ A análise de Adorno sobre as sociedades industriais é supostamente tão sombria que apenas uma "ruptura escatológica" poderia romper com os modos predominantes. de repressão e reforço. Embora a interpretação de Whitebook sobre as perspectivas de emancipação na teoria de Adorno não seja totalmente correta, Adorno foi certamente mais pessimista do que não sobre essas perspectivas. No entanto, uma teoria não pode ser rejeitada com base em que é sombria e pessimista, pois, embora pessimista, a teoria também pode ajudar a explicar um estado de coisas realmente existente. Apesar de todo o seu pessimismo, no entanto, a teoria de Adorno não deixa de ter seus elementos de esperança. Em um ensaio muito antigo, 'Thesen tiber BedtiM, Adorno apontou que a indústria cultural encoraja uma falsa reconciliação com a ordem social, preparando indivíduos para a reprodução da força de trabalho e forçando' suas necessidades de se harmonizarem com os interesses de seus empregadores no lucro e dominação ”. Adorno também especulou que a indústria cultural provavelmente deixaria de existir em uma sociedade que satisfizesse necessidades que não haviam sido marteladas e aceitas por medo.Um indivíduo mais racional e instintivamente robusto não precisaria das satisfações fornecidas pelos produtos culturais. 0 Comitê Executivo de Gerenciamento / Bkkwcll Publishen Ltd. 1995 s Sundcred Titali & AdomoS Fd-MasXirm 211 ies. No entanto, mesmo aqui e agora: se “o produto com o incondicional e irrestrito for reorganizado para a satisfação das necessidades - e especialmente das necessidades produzidas pelo capitalismo - novas e helves seriam transformadas de novo”. Dada a antinomia irreconciliável entre o sistema socioeconômico e os instintos individuais , os instintos representam uma força potencialmente explosiva. Uma vez detonada, tal força poderia levar a uma ordem social e econômica qualitativamente diferente

Termos de Utilização

Todas as traduções feitas são armazenadas no banco de dados. Os dados salvos são publicados no site de forma aberta e anônima. Por este motivo, lembramos que suas informações e dados pessoais não devem ser incluídos nas traduções que você fará. O conteúdo criado a partir de traduções de usuários pode incluir gírias, blasfêmias, sexualidade e elementos semelhantes. Recomendamos não usar nosso site em situações desconfortáveis, pois as traduções criadas podem não ser adequadas para pessoas de todas as idades e locais de interesse. Se, no contexto da tradução dos nossos usuários, houver insultos à personalidade e / ou aos direitos autorais, etc. você pode nos contatar por e-mail, →"Contato"


Política de Privacidade

Terceiros, incluindo o Google, usam cookies para veicular anúncios com base em visitas anteriores do usuário ao seu website ou a outros websites. Com o uso de cookies de publicidade, o Google e os parceiros dele podem veicular anúncios para os usuários com base nas visitas feitas aos seus sites e/ou a outros sites na Internet. Os usuários podem desativar a publicidade personalizada acessando as Configurações de anúncios. Como alternativa, você pode orientar os usuários a acessar o site www.aboutads.info para desativar o uso de cookies de publicidade personalizada de terceiros.