Inglês

early as Minima Moralia, Adorno had already put forward the view that the patriarchal authoritarian family was coming to an end.@ But if the family was no longer authoritarian, could the younger generation be described in this way?41 The hypothesis of an authoritarian personality is controversial for a number of reasons. One of these can be found in Adorno’s own criticism of character typology. In his 1946 paper, translated into German as ‘Die Revidierte Psycho- analyse’, Adorno strongly condemned the use of such typology by revisionists like Erich Fromm. On Martin Jay’s reading of this criticism, the revisionists’ use of “integrated character types” amounted to “abandoning that insistence on nonidentity that was one of the central tenets of Critical Theory”.42 In Adorno’s own words: “The totality of the character, which the revisionists presuppose as given, is an ideal which could be realised only in a non-traumatic society” (RP, 24). When he spoke entirely in his own voice in books like Minima Moralia (which he was writing at the same time as he collaborated on irhe Authoritarian Personafig), Adorno never referred to personality or character types, preferring instead to speak in terms of pathologies such as paranoia and narcissism. Despite the fact that authoritarianism is a personality type and narcissism a psychological pathology, they share a number of important features. As I have already mentioned, these include an ambivalent compliance to authority based on fear and resentment, hostility towards out-groups, stereotypical thinking and ego weakness. However, unlike the hypothesis of authoritarianism, narcissism does not presuppose a unified character structure; it can be explained by instinct psychology rather than by the ego psychology the revisionists formulated. Furthermore, Adorno’s hypothesis concerning the prevalence of pathological narcissism allowed him to focus on the antagonistic relationship between the individual and the social and economic structure. The narcissist thus appears as: a system of scars integrated only through suffering-though never completely. The inflicting of these scars is actually the form which the infiltration of society into the individual takes, not that illusory continuity in whose name revisionists disregard the shock-Wed structure of individual experience. (RP, 24). For Adorno, it was narcissism-rather than the authoritarian personality- which was the psychological key to understanding the damage that had been done to the individual by social and economic factors. The speculative hypothesis of narcissism explained both how the individual was more easily integrated into the system and, at the same time, why he or she was fundamentally antagonistic to that system. Although there are both theoretical and empirical difficulties inherent in attributing nazi tendencies to certain personality types, or to pathologies such as narcissism, Adorno’s attempt throughout his life to find an explanation for both nazism in the Third Reich and its psychological counterparts in other countries is laudable and remains timely. As 77u Authoritarian Personali& states, 0 The Executive Management Commitree/Blackwell Publishera Ltd. 1995 208 Deborah Cook nazism did base its appeal on uemotional needs-ften to the most primitive and irrational wishes and fears”, and nazi leaders did act “as if it were necessary at every moment to take into account the psychology of the people-to activate every ounce of their anti-democratic potential, to compromise with them, to stamp out the slightest spark of rebellion” (4 10). This makes Adorno’s attempt make psychological types or pathologies responsible for nazism plausible at the very least. However, owing to the nature of his diagnosis, Adorno’s theory can easily give rise to misinterpretation and misplaced criticism. In his essay on the rise of pseudo-culture Adorno described his own work as speculative. It is characteristic of speculative theories to “venture out too far;” they do not entirely agree with the results of empirical research and “tend towards false generalization^".^^ Speculative theory attempts to “give shape to a tendency, to sketch the physiognomy of a spirit which also determines the signature of an age even if its validity is still very limited both quantitatively and qualitatively” (PC, 22). Adorno based much of his work concerning the culture industry on Freud’s meta-psychology which he considered to be just as speculative as his own theory. In its defence, Adorno claimed that Freud‘s theory had proved to be enormously productive for the understanding of social behaviour: “Freud’s theory which, for reasons of a complex nature, prompted established science to shrug its shoulders . . . provided intra-scientifically practicable hypotheses for the explanation of what otherwise cannot be explained; namely that the overwhelming majority of human beings tolerate relations of domination, identify themselves with them and are motivated towards irrational attitudes by them-attitudes whose contradiction with the simplest interests of their self- preservation is obvious.”44 In an apparently paradoxical way, Freud’s much maligned instinct theory was useful not only for understanding why people accept domination but also for explaining why domination could never become total. Without Freud’s instinct theory, it would be extremely difficult to account for the fact that people mffm from the effects of domination and that totalitarian forms of domination have never succeeded completely. Yet one should also realise that Adorno’s application of Freud’s instinct theory to phenomena like nazism and the culture industry was heuristic and critical in character. Indeed, in Minima Moralia, Adorno summarised his assessment of psychoanalysis in the following aphorism: “In psycho-analysis nothing is true except the exaggerations” (MM, 49). The validity of Freudian theory was demonstrated by its ability to explain, in a general and speculative way, such phenomena as the effects of cultural commodities on consciousness. However, as speculative, Freudian theory suffered from the same tendencies to over-generalisation as Adorno’s own. What is remarkable is not Adorno’s sanguine admission that both Freud’s theory and his own tend towards “false generaliitions”, but the fact that his speculative and Freudian characterisation of the <&&t should have found empirical confirmation so often-as in his discussion of narcissism. That

Português

desde Minima Moralia, Adorno já havia apresentado a visão de que a família autoritária patriarcal estava chegando ao fim. @ Mas se a família não era mais autoritária, a geração mais jovem poderia ser descrita dessa maneira? 41 A hipótese de uma personalidade autoritária é controverso por várias razões. Um deles pode ser encontrado nas próprias críticas de Adorno à tipologia de caracteres. Em seu artigo de 1946, traduzido para o alemão como "Die Revidierte Psychy analyse", Adorno condenou veementemente o uso dessa tipologia por revisionistas como Erich Fromm. Na leitura de Martin Jay sobre essa crítica, o uso pelos revisionistas de “tipos de caracteres integrados” equivale a “abandonar a insistência na não-identidade que era um dos princípios centrais da Teoria Crítica” .42 Nas próprias palavras de Adorno: “A totalidade do personagem , que os revisionistas pressupõem como dado, é um ideal que só poderia ser realizado em uma sociedade não traumática ”(RP, 24). Quando ele falava inteiramente em sua própria voz em livros como Minima Moralia (que ele escrevia ao mesmo tempo em que colaborava com o Personitarian Authoritarian), Adorno nunca se referiu a personalidades ou tipos de personagens, preferindo falar em termos de patologias como paranóia e narcisismo.Apesar do autoritarismo ser um tipo de personalidade e o narcisismo ser uma patologia psicológica, eles compartilham uma série de características importantes. Como já mencionei, isso inclui uma conformidade ambivalente à autoridade baseada no medo e ressentimento, hostilidade em relação a grupos externos, pensamento estereotipado e fraqueza do ego. Contudo, diferentemente da hipótese do autoritarismo, o narcisismo não pressupõe uma estrutura de caráter unificada; isso pode ser explicado pela psicologia do instinto, e não pela psicologia do ego formulada pelos revisionistas. Além disso, a hipótese de Adorno sobre a prevalência do narcisismo patológico permitiu-lhe concentrar-se na relação antagônica entre o indivíduo e a estrutura social e econômica. O narcisista aparece assim: um sistema de cicatrizes integrado apenas através do sofrimento - embora nunca completamente. O infligir essas cicatrizes é na verdade a forma que a infiltração da sociedade no indivíduo assume, não a continuidade ilusória em cujo nome os revisionistas desconsideram a estrutura chocante da experiência individual. (RP, 24). Para Adorno, era o narcisismo - e não a personalidade autoritária - que era a chave psicológica para entender os danos que haviam sido causados ​​ao indivíduo por fatores sociais e econômicos.A hipótese especulativa do narcisismo explicava como o indivíduo era mais facilmente integrado ao sistema e, ao mesmo tempo, por que ele ou ela era fundamentalmente antagônico a esse sistema. Embora existam dificuldades teóricas e empíricas inerentes à atribuição de tendências nazistas a certos tipos de personalidade ou a patologias como o narcisismo, a tentativa de Adorno ao longo de sua vida de encontrar uma explicação para o nazismo no Terceiro Reich e seus equivalentes psicológicos em outros países é louvável. e permanece oportuno. Como 77u Personalidades autoritárias, 0 Comitê Executivo de Gerenciamento / Blackwell Publishera Ltd. 1995 208 O nazismo de Deborah Cook baseava seu apelo nas necessidades emocionais - freqüentemente aos desejos e medos mais primitivos e irracionais ”, e os líderes nazistas agiam“ como se fosse necessário a todo momento levar em consideração a psicologia do povo - para ativar cada grama de seu potencial antidemocrático, comprometer-se com eles, acabar com a menor centelha de rebelião ”(4 10). Isso faz com que a tentativa de Adorno torne plausíveis os tipos ou patologias psicológicas responsáveis ​​pelo nazismo. No entanto, devido à natureza de seu diagnóstico, a teoria de Adorno pode facilmente dar origem a interpretações errôneas e críticas equivocadas. Em seu ensaio sobre o surgimento da pseudo-cultura, Adorno descreveu seu próprio trabalho como especulativo.É característico das teorias especulativas "aventurar-se longe demais"; eles não concordam inteiramente com os resultados da pesquisa empírica e “tendem a uma falsa generalização ^”. ^^ A teoria especulativa tenta “dar forma a uma tendência, esboçar a fisionomia de um espírito que também determina a assinatura de uma época, mesmo que sua validade ainda é muito limitada, tanto quantitativa quanto qualitativamente. ”(PC, 22). Adorno baseou grande parte de seu trabalho sobre a indústria cultural na meta-psicologia de Freud, que ele considerava tão especulativa quanto sua própria teoria. Em sua defesa, Adorno afirmou que a teoria de Freud provou ser enormemente produtiva para a compreensão do comportamento social: “A teoria de Freud que, por razões de natureza complexa, levou a ciência estabelecida a encolher os ombros.forneceu hipóteses intra-cientificamente praticáveis ​​para a explicação do que de outra forma não pode ser explicado; ou seja, que a esmagadora maioria dos seres humanos tolera relações de dominação, se identifica com eles e é motivada por atitudes irracionais por eles - atitudes cuja contradição com os interesses mais simples de sua autopreservação é óbvia. ”44 De uma maneira aparentemente paradoxal, Freud muita teoria do instinto difamada foi útil não apenas para entender por que as pessoas aceitam dominação, mas também para explicar por que a dominação nunca poderia se tornar total. Sem a teoria do instinto de Freud, seria extremamente difícil explicar o fato de que as pessoas se comprometem com os efeitos da dominação e que as formas totalitárias de dominação nunca tiveram sucesso completo. No entanto, deve-se perceber também que a aplicação de Adorno da teoria do instinto de Freud a fenômenos como o nazismo e a indústria cultural era heurística e de caráter crítico. De fato, em Minima Moralia, Adorno resumiu sua avaliação da psicanálise no seguinte aforismo: "Na psicanálise, nada é verdade, exceto os exageros" (MM, 49). A validade da teoria freudiana foi demonstrada por sua capacidade de explicar, de maneira geral e especulativa, fenômenos como os efeitos de mercadorias culturais na consciência.No entanto, por mais especulativa, a teoria freudiana sofria das mesmas tendências de super generalização que a própria Adorno. O que é notável não é a otimista admissão de Adorno de que tanto a teoria de Freud quanto a sua tendem a "falsas generalizações", mas o fato de que sua caracterização especulativa e freudiana da <&& t deveria ter encontrado confirmação empírica com tanta frequência - como em sua discussão sobre o narcisismo. Naquela

Termos de Utilização

Todas as traduções feitas são armazenadas no banco de dados. Os dados salvos são publicados no site de forma aberta e anônima. Por este motivo, lembramos que suas informações e dados pessoais não devem ser incluídos nas traduções que você fará. O conteúdo criado a partir de traduções de usuários pode incluir gírias, blasfêmias, sexualidade e elementos semelhantes. Recomendamos não usar nosso site em situações desconfortáveis, pois as traduções criadas podem não ser adequadas para pessoas de todas as idades e locais de interesse. Se, no contexto da tradução dos nossos usuários, houver insultos à personalidade e / ou aos direitos autorais, etc. você pode nos contatar por e-mail, →"Contato"


Política de Privacidade

Terceiros, incluindo o Google, usam cookies para veicular anúncios com base em visitas anteriores do usuário ao seu website ou a outros websites. Com o uso de cookies de publicidade, o Google e os parceiros dele podem veicular anúncios para os usuários com base nas visitas feitas aos seus sites e/ou a outros sites na Internet. Os usuários podem desativar a publicidade personalizada acessando as Configurações de anúncios. Como alternativa, você pode orientar os usuários a acessar o site www.aboutads.info para desativar o uso de cookies de publicidade personalizada de terceiros.