Inglês

classes, makes children mwc dependent on authority rather than less. In contrast to Adorno, Benjamin contends that what accounts for the current diminution in ego autonomy is the “breakup of kin-group ties and other networks, especially among women”. Such connections “would provide personal solidarity rather than impersonally mediated expertise”.35W omen have become “more isolated and lonely in their mothering activity”. As a result of their isolation, women may demand from their children “the appearance of self-reliance with a lack of true independence: internalization of individuality as an ideal rather than a reality” (AF, 54). The role mothers play in the development of ego autonomy was only indirectly acknowledged in such work as 7h Authoritarian P~rsonalip.~~ However Adorno does make passing reference to the importance of the pre-Oedipal stage of psycho-sexual development for ego autonomy. Citing Freud in ‘Group Psychology and the Analysis of the Ego’, Adorno wrote that a pre-Oedipal identification with an archaic father image might explain the attraction of the nazi leader: “Since the child’s identification with his father as an answer to the Oedipus complex is only a secondary phenomenon, infantile regression may go beyond this father image and through an ‘anaclitic’ process reach a more archaic one” (IT 125). Adorno thought that this hypothesis called for further clarification which he himself did not provide. Had he explored this hypothesis, he might have realised that there were other factors in pre-Oedipal development which are responsible for ego autonomy or the lack thereof Adorno’s view that ego autonomy results from the interndiation of the father’s moral commands does need to be reassessed. If accepted, Benjamin‘s thesis in “Authority and the Family Revisited” would not require a complete overhaul of Adorno’s theory-especially if her claii that Adorno replaced internalisation with direct domination is rejected. Both she and Adorno believe that the family is crucial for the development of ego autonomy. For both, essentially the same social and economic conditions are responsible for changes in the family and these changes result in similar psychological consequences. What is really at issue is the question of which factor mediates between socio-economic conditions and the loss of ego autonomy: is it the instrumentalisation of mother love in a “patriarchy without the father” (AF, 36), or is it the father’s loss of authority? As a third alternative, one might also suggest that it is a combination of both. Whatever answer is given to this question, the real problem, for both Benjamin and Adorno, is the lack of ego autonomy with its roots in transformations in the family, especially in parental roles. According to Adorno, the narcissistic ego resulting &om such transformations does not adequately distinguish between itself and its objects and regresses to an infantile state in which it is more vulnerable to the demands of both the id and the superego. This vulnerability can be glimpsed indirectly in the narcissist’s ambivalence towards authority figures. He or she identifies with them and 0 The Executive Management cOmmittec/Blarkwell Publishera Ltd. 1995 l7u Sundnd %tulity: AdomoS Fdo-Marxism 205 resents them at one and the same time. Else Frenkel-Brunswik describes the consequences of this ambivalence in ‘Ike Authoritarian Personality: A person possessed by such ambivalence may easily be kept in check and may even behave in an exemplary fashion in following those external authorities who take over the function of the superego-and partly even those of the ego. On the other hand, if permitted to do so by outside authority, the same person may be induced very easily to uncontrolled release of his instinctual tendencies, especially those of destructi~eness.~’ Ego weakness, exploited by external agencies and forces, allows the superego and the id to play a far greater role in individual psychology than they did in the past. While the ego still carries out repression on the orders of the superego, Adorno thought it had regressed so much towards “what Freud called ego- libido” (SP2,87), that its role as the agent of repression had also been undermined. What takes place in narcissistic individuals, according to Adorno, is “that merger between id and superego that psychoanalytic theory already focused on, and it is precisely where the masses act instinctively that they have been preformed by censorship and enjoy the blessing of the powers that be” (SPI, 80). Instinctual gratification is now subject to the approval of a superego whose introjects are targeted by extra-familial agents and forces. Political leaders, demagogues, and the culture industry take advantage of the weakness of the narcissistic ego, harnessing instincts and reinforcing superego introjects. They need not resort to overt manipulation and control but simply exploit an already existing psycho- logical pathology. The superego not only contains images of father and mother figures, it is also the locus of moral commands and norms. Although Christopher Lasch contests the view that the superego is the “representative of established morality” for the rather weak reason that parental introjects in the superego “bear little resemblance to the actual figures of the parents” (MS, 175), Adorno (following Freud) clearly believed the superego consists in introjected norms and values. Lasch recognises that child-rearing functions have been assumed more and more *by surrogate parents responsible not to the family but to the state, to private industry, or to their own codes of professional ethics”. This means that “the advertising industry, the mass media, the health and welfare services, and other agencies of mass tuition took over many of the socializing functions of the home” (W, 267-8). But, for Lasch, the increasingly important role of these socialisation agencies does not imply that their moral codes serve as introjects in the superego. By contrast, Adorno believed that because fascist leaders and the culture industry reanimate the image of the primal father, their values and norms play a role in the superego owing to the ego’s mediated identification with them. Such identification undermines the individual’s ability to make decisions which are in his or her own self-interest. 0 The Executive Management Committce/Blackwcll Publishers Lcd. 1995 206 Dcbmah Cook Adorno’s study of narcissism had a controversial counterpart in the series of studies which culminated in l7u Authoritarian Personati& Like the narcissist, the authoritarian personality, targeted by nazi leaders and the culture industry, is characterised by ambivalence. Such a personality both submits to authority out of fear and wants to dominate out-groups because of its resentment towards authority. An important question raised by some critics concerns the genesis of this character type. Is the authoritarian personality the outgrowth of authoritarian families or is it the product of weak family relations? In the work Adorno did on narcissism, it is clear that weak families are responsible for this pathology. However there is an ambiguity in l7u Authmitmian Personalig itself which might lead one to the conclusion that strong families produce authoritarian character types in late capitalist societies. This ambiguity has been convincingly described and documented. In their methodological critique of l7u Aulhwitmian Pmdip, for example, Herbert Hyman and Paul Sheatsley point out that Adorno and his co-workers “implicitly” regard the authoritarian personality “as a product of acacalfomilial cxprimcc”. Basing themselves on the subjective reports of the people they interviewed, research team members “oscillate between the view that these reports have only a pychological reality in conveying the subject’s personality, and the view that they have objcctiw reality as an accurate description of the subject’s actual family life”.38H yman and Sheatsley do not think it is possible to derive any information about the genesis of the authoritarian personality from the subjective reports of the interviewees. The question of the type of family which produces such a personality structure remains unanswered. In Hwm in a Heartless Wwld, Christopher Lasch often appeared to believe Adorno and his co-workers simply assumed that the authoritarian personality was the product of strong authoritarian families. While it is clear that Lasch was wrong here-the ambiguity in the research team’s description of the genesis of the authoritarian personality has been well documented-he makes an interesting point when he remarks that Max Horkheimer and Eric From had both shown in work written before The Autiroritcnirm Person~Lt#~ that “bourgeois society had moved steadily away from authoritarian family systems” (HH, 90). For Lasch, neither totalitarian nor non-totalitarian societies need the authoritarian family. In non-totalitarian societies: “the individual‘s emancipation from the family makes it impossible but also unnecessary to appeal to his guilty conscience; instead, society appeals to shame, self-interest, and his duty to enjoy himself” (HH, 91). Lasch’s description of the erosion of the authoritarian family and its replace- ment by social and cultural (or pseudo-cultural) agencies reiterates points which Adorno had already made in such essays as ‘Sociology and Psychology’, ‘Revised Psychoanalysis’, and ‘Freudian Theory and the Pattern of Fascist Propaganda’. There is, moreover, no need to belabour the point concerning the problematic genesis of the authoritarian personality type in l7u Aue Personati@. As 0

Português

classes, torna as crianças mwc dependentes da autoridade e não menos. Em contraste com Adorno, Benjamin afirma que o que explica a atual diminuição na autonomia do ego é o “rompimento dos laços entre grupos de parentesco e outras redes, especialmente entre as mulheres”. Tais conexões “proporcionariam solidariedade pessoal, em vez de conhecimentos mediados impessoalmente.” Os presságios de 35W tornaram-se “mais isolados e solitários em sua atividade materna”. Como resultado de seu isolamento, as mulheres podem exigir de seus filhos “a aparência de autoconfiança com uma falta de verdadeira independência: internalização da individualidade como um ideal e não como uma realidade” (AF, 54). O papel que as mães desempenham no desenvolvimento da autonomia do ego só foi indiretamente reconhecido em trabalhos como 7h Autoritarismo Federal. Entretanto, Adorno faz uma referência passageira à importância do estágio pré-edipiano do desenvolvimento psico-sexual para a autonomia do ego. Citando Freud em 'Psicologia de grupo e análise do ego', Adorno escreveu que uma identificação pré-edipiana com uma imagem de pai arcaica pode explicar a atração do líder nazista: “Desde a identificação da criança com seu pai como resposta ao Édipo. Como o complexo é apenas um fenômeno secundário, a regressão infantil pode ir além dessa imagem paterna e, através de um processo 'anaclítico', atingir uma mais arcaica ”(IT 125).Adorno achava que essa hipótese pedia esclarecimentos adicionais que ele próprio não forneceu. Se ele tivesse explorado essa hipótese, poderia ter percebido que havia outros fatores no desenvolvimento pré-edipiano que são responsáveis ​​pela autonomia do ego ou a falta dela. A visão de Adorno de que a autonomia do ego resulta da interligação dos comandos morais do pai precisa ser reavaliada. Se aceita, a tese de Benjamin em "A Autoridade e a Família Revisitada" não exigiria uma revisão completa da teoria de Adorno - especialmente se seu pedido de que Adorno substituísse a internalização pela dominação direta fosse rejeitado. Tanto ela quanto Adorno acreditam que a família é crucial para o desenvolvimento da autonomia do ego. Para ambos, essencialmente as mesmas condições sociais e econômicas são responsáveis ​​por mudanças na família e essas mudanças resultam em consequências psicológicas semelhantes. O que realmente está em questão é a questão de qual fator medeia entre as condições socioeconômicas e a perda da autonomia do ego: é a instrumentalização do amor da mãe em um "patriarcado sem o pai" (AF, 36), ou é o pai? perda de autoridade? Como terceira alternativa, pode-se sugerir também que é uma combinação de ambos.Qualquer que seja a resposta dada a essa pergunta, o verdadeiro problema, tanto para Benjamin quanto para Adorno, é a falta de autonomia do ego com suas raízes em transformações na família, especialmente nos papéis dos pais. Segundo Adorno, o ego narcísico resultante de tais transformações não distingue adequadamente entre si e seus objetos e regride para um estado infantil no qual é mais vulnerável às demandas do id e do superego. Essa vulnerabilidade pode ser vislumbrada indiretamente na ambivalência do narcisista em relação a figuras de autoridade. Ele ou ela se identifica com eles e 0 A gerência executiva cOmmittec / Blarkwell Publishera Ltd. 1995 197 Sundnd% tulity: o AdomoS Fdo-Marxism 205 se ressente deles ao mesmo tempo. Else Frenkel-Brunswik descreve as conseqüências dessa ambivalência em Ike Personalidade Autoritária: Uma pessoa possuída por essa ambivalência pode facilmente ser mantida sob controle e pode até se comportar de maneira exemplar ao seguir as autoridades externas que assumem a função do superego - e em parte mesmo as do ego.Por outro lado, se permitido por autoridade externa, a mesma pessoa pode ser induzida com muita facilidade à liberação descontrolada de suas tendências instintivas, especialmente as de destruição. A fraqueza do ego, explorada por forças e agências externas, permite que o superego e o id desempenhem um papel muito maior na psicologia individual do que no passado. Enquanto o ego ainda exerce a repressão sob as ordens do superego, Adorno pensou que havia regredido tanto para "o que Freud chamava de ego-libido" (SP2,87), que seu papel como agente de repressão também foi prejudicado. O que ocorre em indivíduos narcísicos, segundo Adorno, é “aquela fusão entre id e superego em que a teoria psicanalítica já se concentrava, e é exatamente onde as massas agem instintivamente que elas são pré-formadas pela censura e desfrutam da bênção dos poderes que ser ”(SPI, 80). A gratificação instintiva está agora sujeita à aprovação de um superego cujos introjetos são alvos de agentes e forças extra-familiares. Líderes políticos, demagogos e a indústria cultural aproveitam a fraqueza do ego narcísico, aproveitando os instintos e reforçando os introjetos do superego. Eles não precisam recorrer à manipulação e controle abertos, mas simplesmente exploram uma patologia psicológica já existente.O superego não contém apenas imagens de figuras de pai e mãe, é também o locus de comandos e normas morais. Embora Christopher Lasch contesta a visão de que o supereu é o "representante da moralidade estabelecida" pela razão bastante fraca de que introjetos parentais no superego "têm pouca semelhança com as figuras reais dos pais" (MS, 175), Adorno (seguindo Freud ) acreditava claramente que o superego consiste em normas e valores introjetados. Lasch reconhece que as funções de criar filhos foram assumidas cada vez mais * por pais substitutos responsáveis ​​não pela família, mas pelo estado, pela indústria privada ou por seus próprios códigos de ética profissional ”. Isso significa que “a indústria da publicidade, a mídia de massa, os serviços de saúde e bem-estar e outras agências de ensino de massa assumiram muitas das funções de socialização do lar” (W, 267-8). Mas, para Lasch, o papel cada vez mais importante dessas agências de socialização não implica que seus códigos morais sirvam como introjetos no superego. Por outro lado, Adorno acreditava que, como os líderes fascistas e a indústria cultural reanimam a imagem do pai primordial, seus valores e normas desempenham um papel no superego devido à identificação mediada pelo ego com eles. Essa identificação mina a capacidade do indivíduo de tomar decisões que sejam do seu próprio interesse.0 Comitê Executivo de Gerenciamento / Blackwcll Publishers Lcd. 1995 O estudo do narcisismo de Dcbmah Cook Adorno teve uma contraparte controversa na série de estudos que culminou em personalidades autoritárias e como o narcisista, a personalidade autoritária, direcionada pelos líderes nazistas e pela indústria cultural, é caracterizada pela ambivalência. Tal personalidade se submete à autoridade por medo e quer dominar os grupos externos por causa de seu ressentimento em relação à autoridade. Uma questão importante levantada por alguns críticos diz respeito à gênese desse tipo de personagem. A personalidade autoritária é fruto de famílias autoritárias ou é o produto de relações familiares fracas? No trabalho que Adorno fez sobre o narcisismo, é claro que as famílias fracas são responsáveis ​​por essa patologia. No entanto, existe uma ambiguidade na própria Authmitmian Personalig que pode levar à conclusão de que famílias fortes produzem tipos de caráter autoritário nas sociedades capitalistas tardias. Essa ambiguidade foi convincentemente descrita e documentada. Em sua crítica metodológica de Aulhwitmian Pmdip, por exemplo, Herbert Hyman e Paul Sheatsley apontam que Adorno e seus colegas de trabalho "implicitamente" consideram a personalidade autoritária "como um produto do cxprimcc acacalfomilial".Baseando-se nos relatos subjetivos das pessoas que entrevistaram, os membros da equipe de pesquisa “oscilam entre a visão de que esses relatórios têm apenas uma realidade psicológica na transmissão da personalidade do sujeito e a visão de que eles objetam a realidade como uma descrição precisa da realidade real do sujeito. vida familiar ”.38H yman e Sheatsley não consideram possível extrair qualquer informação sobre a gênese da personalidade autoritária a partir dos relatos subjetivos dos entrevistados. A questão do tipo de família que produz essa estrutura de personalidade permanece sem resposta. Em Hwm, em uma Guerra sem coração, Christopher Lasch parecia acreditar que Adorno e seus colegas de trabalho simplesmente supunham que a personalidade autoritária fosse o produto de fortes famílias autoritárias. Embora esteja claro que Lasch estava errado aqui - a ambiguidade na descrição da equipe de pesquisa sobre a gênese da personalidade autoritária foi bem documentada -, ele faz um ponto interessante quando observa que Max Horkheimer e Eric From haviam mostrado em trabalho escrito antes A pessoa autorroritirista afirma que "a sociedade burguesa se afastou firmemente dos sistemas familiares autoritários" (HH, 90). Para Lasch, nem as sociedades totalitárias nem as não totalitárias precisam da família autoritária.Nas sociedades não totalitárias: “a emancipação do indivíduo da família torna impossível, mas também desnecessário apelar à sua consciência culpada; em vez disso, a sociedade apela à vergonha, ao interesse próprio e ao seu dever de se divertir ”(HH, 91). A descrição de Lasch da erosão da família autoritária e sua substituição por agências sociais e culturais (ou pseudo-culturais) reitera pontos que Adorno já havia feito em ensaios como 'Sociologia e Psicologia', 'Psicanálise Revisada' e 'Freudiana Teoria e o Padrão da Propaganda Fascista '. Além disso, não há necessidade de enfatizar o ponto relativo à gênese problemática do tipo de personalidade autoritária em Aue Personati. Como 0 0

Termos de Utilização

Todas as traduções feitas são armazenadas no banco de dados. Os dados salvos são publicados no site de forma aberta e anônima. Por este motivo, lembramos que suas informações e dados pessoais não devem ser incluídos nas traduções que você fará. O conteúdo criado a partir de traduções de usuários pode incluir gírias, blasfêmias, sexualidade e elementos semelhantes. Recomendamos não usar nosso site em situações desconfortáveis, pois as traduções criadas podem não ser adequadas para pessoas de todas as idades e locais de interesse. Se, no contexto da tradução dos nossos usuários, houver insultos à personalidade e / ou aos direitos autorais, etc. você pode nos contatar por e-mail, →"Contato"


Política de Privacidade

Terceiros, incluindo o Google, usam cookies para veicular anúncios com base em visitas anteriores do usuário ao seu website ou a outros websites. Com o uso de cookies de publicidade, o Google e os parceiros dele podem veicular anúncios para os usuários com base nas visitas feitas aos seus sites e/ou a outros sites na Internet. Os usuários podem desativar a publicidade personalizada acessando as Configurações de anúncios. Como alternativa, você pode orientar os usuários a acessar o site www.aboutads.info para desativar o uso de cookies de publicidade personalizada de terceiros.