Inglês

it attempts to recover its sense of omnipotence and of symbiotic fusion with the mother characteristic of the stage of primary narcissism in which there are two sexual objects-the mother and the ego-and the boundaries between them are not fixed.28 According to Lasch, in this regression to primary narcissism, children of both sexes reject ”the Oedipal solution to the problem of separation, in which the child renounces the fantasy of an immediate reunion with the mother in the hope of growing up into adult roles that promise something of the same potency once associated with the infantile illusion of ~elf-sufficiency”.~~ Pathological narcissism thus presupposes the development of an ego but it is an ego which is constantly regressing to the undifferentiated state of primary narcissism. Furthermore, although the Oedipal solution is rejected, Lasch points out that a superego also develops in narcissistic individuals: The decline ofparental authority and of external sanctions in general, while in many ways it weakens the superego, paradoxically reinforces the aggressive, dictatorial elements in the superego and thus makes it more dimcult than ever for instinctual desires to find acceptable outlets. The “decline of the superego’’ in a permissive society is better understood as the creation of a new kind of superego in which archaic elements predominate?’ €3 The Executive Management Committec/Blackwell Publishen Ltd. 1995 202 DGborah Cook Lasch believed that the archaic content of what is introjected into the narcissistic superego consists in “images of the parents,” or “parental introjects instead of identifications” which are fused with ”grandiose self-images” (W, 305). These introjected and archaic representations of the parents are “unmitigated by reality” and so include images of an “all-powerful father” and a “primitive mother” (W, 299). Adorno’s explanation for the psychological attraction of nazi leaders in ‘Freudian Theory and the Pattern of Fascist Propaganda’ relied on a similar view of superego introjects. The nazi follower had formed in his or her superego the image of “an omnipotent and unbridled father figure, by far transcending the individual father and therewith apt to be enlarged into a ‘group ego’ ” (FT, 124). The follower’s libido is completely invested in this image which the nazi leader reanimates and uses to generate both positive and negative emotions. Generating negative emotions towards out-groups results in a narcissistic gain which suggests “that the follower, simply through belonging to the in-group, is better, higher and purer than those who are excluded” (FT, 130). This narcissistic gain can also be seen in the pseudo-cultured who derive from the culture industry the sense of being in charge or control and having social prestige. Unfortunately, Adorno’s view of narcissism provided only a bare sketch of this pathology. Furthermore, unlike Adorno, contemporary psychoanalytic literature often distinguishes between identification and introjection or internalis- ation, as well as between the superego and the ego ideal. In postulating the independent existence of an ego ideal, psychoanalysts--lie Janine Chasseguet- Smirgel in her 77u &go ZdeaC-have focused on Freud’s early 1914 essay “On Narcissism”. In this essay, Freud claimed that the ego ideal represents the image of early narcissistic perfection and self-sufficiency. Contemporary analysts contrast the generally positive content of such an ideal to the negative and punitive content of the superego which they view as the outgrowth of the later Oedipal stage. Bkla Grunberger also distinguishes between identification with the ego ideal and the introjection of moral commands in the superego. Identification is a less mature psychological mechanism which involves “ ‘borrowing’ the goodness of another rather than making it one’s In the view of these more contemporary Freudian theorists, the concept of the ego ideal is indispensable. They believe that the early infantile desire for omnipotence and self-sufficiency can become transformed into “a loving exploration of the world through art, playful scientific curiosity, and the activities of nurture and cultivation” (MS, 179). The newer theories of narcissism therefore deny that narcissism is solely a regressive and pathological phenomenon which fosters compliance to authority figures; it may also take a progressive form. According to C. Fred Alford, in a more mature form of narcissism, the ego can reconcile itself with its ego ideal, achieving psychic wholeness. The “progressive” form of narcissism “reminds us that even modern lives have the potential (generally unrealized) for narrative unity, understood as a lifelong quest for self- 0 The Executive Managernen1 Committee/Blackmll Publishera Lld. 1995 7he Sundered Zhlity: Adornoi Freudo-Manism 203 perfection via the pursuit of ideal values” (N, 199). However Auord makes clear that the mature solution to narcissism will become possible for the majority of individuals only when social and economic conditions change. The newer theories contend that a mature reconciliation of the ego with its ideal can occur. They also indirectly point to the fact that Adorno’s views about the more regressive form of narcissism need to be supplemented and revised, though not abandoned. Adorno was satisfied with a very general analysis of the pathology of narcissism, seeing it as an impediment to resistance against the totally administered world. The successful resolution of the Oedipal complex in the bourgeois patriarchal family meant that the child gained a certain amount of ego autonomy which allowed it to resist authority. Once the family’s central role as an agent of socialisation was undermined, ego autonomy was compromised and the resistance of the individual against external forces diminished. These external forces have historically taken the form of fascist leaders and the culture industry. In both, the positive and negative contents of superego introjects are exploited. As Freud had shown, narcissists are particularly inclined to distinguish themselves from out-groups. This characteristic of narcissism underscores the weakness of the ego which by focusing “hostility upon the out-group, does away with intolerance in one’s own group to which one’s relation would otherwise be highly ambivalent” (FT, 130). A far more influential critique of Adorno’s analysis of individual psychology within late capitalism can be found in the work of Jessica Benjamin. In her essay, ‘The End of Internalization’, Benjamin claims that for Adorno, “narcissism is a weakness of the ego, a diminution of its conscious cognitive side which replaces internalization as the cause of ~ompliance”.~~ On Benjamin’s reading, then, Adorno maintained that domination had become direct or unmediated on account of the weak narcissistic ego. However this so-called “direct domina- tion”-a phrase Adorno did in fact ~se~~-resulting from the loss of the mediating influence of the father as the object of internalisation, continues to be mediated by the image of the ferocious, all-consuming parent drawn from infantile experiences of frustration based on the child’s separation from the objects of its desires. It is this image which fascist leaders and many of the products of the culture industry reanimate and with which the masses identifjr. Often undifferentiated from grandiose images of the self in the narcissistic superego, the image of the primal father is thus externalised in the nazi leader or in the “sinister father images”34o f television and film. In these cases, then, domination is mediated by the superego. So, in “Sociology and Psychology,” Adorno wrote that “society extends repressively into all psychology in the form of censorship and superego” (SP2, 79). In her later essay, ‘Authority and the Family Revisited’, Jessica Benjamin also rejected the view that the internalisation of the father’s values during the resolution of the Oedipus complex leads to ego autonomy. She claims empirical studies show that internalisation, which is still widespread among the middle

Português

ele tenta recuperar seu senso de onipotência e fusão simbiótica com a mãe, característica do estágio de narcisismo primário no qual existem dois objetos sexuais - a mãe e o ego - e os limites entre eles não são fixos.28 Segundo Lasch, nessa regressão ao narcisismo primário, crianças de ambos os sexos rejeitam ”a solução edipiana para o problema da separação, na qual a criança renuncia à fantasia de uma reunião imediata com a mãe na esperança de crescer em papéis adultos que prometem algo do mesma potência, uma vez associada à ilusão infantil de suficiência dos elfos. ”O narcisismo patológico pressupõe, portanto, o desenvolvimento de um ego, mas é um ego que está constantemente regredindo ao estado indiferenciado do narcisismo primário. Além disso, embora a solução edipiana seja rejeitada, Lasch ressalta que um superego também se desenvolve em indivíduos narcísicos: O declínio da autoridade parental e das sanções externas em geral, embora enfraqueça o superego, em muitos aspectos, reforça paradoxalmente os elementos agressivos e ditatoriais do superego, tornando-o mais obscuro do que nunca para os desejos instintivos de encontrar saídas aceitáveis.O "declínio do superego" em uma sociedade permissiva é mais bem entendido como a criação de um novo tipo de superego em que elementos arcaicos predominam? " € 3 O Comitê Executivo de Gerenciamento / Blackwell Publishen Ltd. 1995 202 DGborah Cook Lasch acreditava que o conteúdo arcaico do que é introjetado no superego narcísico consiste em "imagens dos pais" ou "introjetos dos pais em vez de identificações" que são fundidas com "auto-imagens grandiosas" (W, 305). Essas representações introjetadas e arcaicas dos pais são "não mitigadas pela realidade" e, portanto, incluem imagens de um "pai todo-poderoso" e uma "mãe primitiva" (W, 299). A explicação de Adorno para a atração psicológica dos líderes nazistas na "Teoria Freudiana e no Padrão da Propaganda Fascista" contava com uma visão semelhante dos introjetos do superego. O seguidor nazista havia formado em seu superego a imagem de "uma figura paterna onipotente e desenfreada, transcendendo de longe o pai individual e, portanto, passível de ser ampliada para um 'ego de grupo'" (FT, 124). A libido do seguidor é completamente investida nessa imagem que o líder nazista reanima e usa para gerar emoções positivas e negativas.Gerar emoções negativas em relação aos grupos externos resulta em um ganho narcísico que sugere “que o seguidor, simplesmente por pertencer ao grupo, é melhor, mais alto e mais puro do que aqueles que são excluídos” (FT, 130). Esse ganho narcísico também pode ser visto nos pseudo-cultos que derivam da indústria cultural a sensação de estar no comando ou controlar e de ter prestígio social. Infelizmente, a visão de Adorno sobre o narcisismo forneceu apenas um esboço dessa patologia. Além disso, diferentemente de Adorno, a literatura psicanalítica contemporânea geralmente distingue entre identificação e introjeção ou internalização, bem como entre o superego e o ideal do ego. Ao postular a existência independente de um ideal de ego, os psicanalistas - mentem Janine Chasseguet-Smirgel em seu 77u & go ZdeaC - se concentraram no ensaio de Freud, no início de 1914, "On Narcissism". Nesse ensaio, Freud afirmou que o ideal do ego representa a imagem da perfeição e auto-suficiência narcísicas primitivas. Os analistas contemporâneos contrastam o conteúdo geralmente positivo de tal ideal com o conteúdo negativo e punitivo do superego, que eles vêem como conseqüência do estágio edipiano posterior. Bkla Grunberger também distingue entre a identificação com o ideal do ego e a introjeção de comandos morais no superego.A identificação é um mecanismo psicológico menos maduro que envolve "emprestar" a bondade de outra pessoa ao invés de torná-la uma. Na visão desses teóricos freudianos mais contemporâneos, o conceito de ideal do ego é indispensável. Eles acreditam que o desejo infantil inicial de onipotência e auto-suficiência pode se transformar em "uma exploração amorosa do mundo através da arte, curiosidade científica lúdica e atividades de criação e cultivo" (MS, 179). As novas teorias do narcisismo, portanto, negam que o narcisismo seja apenas um fenômeno regressivo e patológico que promove o cumprimento de figuras de autoridade; também pode assumir uma forma progressiva. Segundo C. Fred Alford, em uma forma mais madura de narcisismo, o ego pode se reconciliar com seu ideal de ego, alcançando a integridade psíquica. A forma "progressista" de narcisismo "nos lembra que mesmo as vidas modernas têm o potencial (geralmente não realizado) de unidade narrativa, entendida como uma busca ao longo da vida por 0 Comitê Executivo de Gerenciamento1 / Blackmll Publishera Lld. 1995 A perfeição através da busca de valores ideais ”(N, 199). No entanto, Auord deixa claro que a solução madura para o narcisismo só será possível para a maioria dos indivíduos quando as condições sociais e econômicas mudarem.As teorias mais recentes sustentam que pode ocorrer uma reconciliação madura do ego com seu ideal. Eles também apontam indiretamente para o fato de que as visões de Adorno sobre a forma mais regressiva de narcisismo precisam ser complementadas e revisadas, embora não abandonadas. Adorno estava satisfeito com uma análise muito geral da patologia do narcisismo, vendo-o como um impedimento à resistência contra o mundo totalmente administrado. A resolução bem-sucedida do complexo edipiano na família patriarcal burguesa significou que a criança ganhou uma certa quantidade de autonomia do ego, que lhe permitiu resistir à autoridade. Uma vez comprometido o papel central da família como agente de socialização, a autonomia do ego foi comprometida e a resistência do indivíduo contra forças externas diminuiu. Essas forças externas historicamente assumiram a forma de líderes fascistas e da indústria cultural. Em ambos, o conteúdo positivo e o negativo dos introjetos do superego são explorados. Como Freud havia mostrado, os narcisistas estão particularmente inclinados a se diferenciar dos grupos externos. Essa característica do narcisismo ressalta a fraqueza do ego que, ao focalizar "hostilidade no grupo externo, acaba com a intolerância no próprio grupo com o qual a relação de alguém seria altamente ambivalente" (FT, 130).Uma crítica muito mais influente da análise de Adorno da psicologia individual dentro do capitalismo tardio pode ser encontrada no trabalho de Jessica Benjamin. Em seu ensaio, 'The End of Internalization', Benjamin afirma que, para Adorno, “o narcisismo é uma fraqueza do ego, uma diminuição de seu lado cognitivo consciente, que substitui a internalização como causa de omissão”. Na leitura de Benjamin, Adorno sustentou que a dominação se tornara direta ou não mediada por conta do fraco ego narcísico. No entanto, essa chamada “dominação direta” - uma frase que Adorno de fato resultou da perda da influência mediadora do pai como objeto de internalização - continua sendo mediada pela imagem do feroz , pai que tudo consome extraído de experiências infantis de frustração baseadas na separação da criança dos objetos de seus desejos. É essa imagem que líderes fascistas e muitos dos produtos da indústria cultural reanimam e com os quais as massas se identificam. Freqüentemente indiferenciada das imagens grandiosas do eu no superego narcísico, a imagem do pai primitivo é exteriorizada no líder nazista ou nas “imagens sinistras do pai” da televisão e do cinema. Nesses casos, então, a dominação é mediada pelo superego.Assim, em "Sociologia e psicologia", Adorno escreveu que "a sociedade se estende repressivamente a toda psicologia na forma de censura e superego" (SP2, 79). Em seu ensaio posterior, 'Authority and the Revisited Family', Jessica Benjamin também rejeitou a visão de que a internalização dos valores do pai durante a resolução do complexo de Édipo leva à autonomia do ego. Ela afirma que estudos empíricos mostram que a internalização, que ainda é generalizada no meio

Termos de Utilização

Todas as traduções feitas são armazenadas no banco de dados. Os dados salvos são publicados no site de forma aberta e anônima. Por este motivo, lembramos que suas informações e dados pessoais não devem ser incluídos nas traduções que você fará. O conteúdo criado a partir de traduções de usuários pode incluir gírias, blasfêmias, sexualidade e elementos semelhantes. Recomendamos não usar nosso site em situações desconfortáveis, pois as traduções criadas podem não ser adequadas para pessoas de todas as idades e locais de interesse. Se, no contexto da tradução dos nossos usuários, houver insultos à personalidade e / ou aos direitos autorais, etc. você pode nos contatar por e-mail, →"Contato"


Política de Privacidade

Terceiros, incluindo o Google, usam cookies para veicular anúncios com base em visitas anteriores do usuário ao seu website ou a outros websites. Com o uso de cookies de publicidade, o Google e os parceiros dele podem veicular anúncios para os usuários com base nas visitas feitas aos seus sites e/ou a outros sites na Internet. Os usuários podem desativar a publicidade personalizada acessando as Configurações de anúncios. Como alternativa, você pode orientar os usuários a acessar o site www.aboutads.info para desativar o uso de cookies de publicidade personalizada de terceiros.