Inglês

“people are really atomised and separated from each other by an unbridgeable chasm” (RP, 35). As Freud implicitly saw, interpersonal relations “issue neither from their [individuals”] free will nor from their instincts but from social and economic laws which prevail over their heads” (RP, 36). Adorno located the “sociological root” of narcissism in the fact that “the individual is compelled to direct his unutilized instinctual energy against himself because virtually insurmountable difficulties lie in the way of any spontaneous and direct relationship between people today” (RP, 33). Although Habermas recognises that the “Me-world” has been colonised, and that “the subsystems of the economy and state have become more and more complex as a consequence of capitalist growth, and penetrate ever deeper into the symbolic reproduction of the MeworId”,l8 he underestimates the damage this colonisation has inflicted on the sphere of interpersonal relations. Furthermore, by ignoring the subjective, psychological dimension of human experience, Habermas cannot account for widely documented pathologies such as the narcissism suffered by individuals in industrial societies which the Critical theorists were among the first to diagnose. The prevalence of narcissism has compromised the independence of the intersubjective realm-a realm which holds out as much promise for Habermas as it once did for Lukcs. Communicative rationality, which presupposes a thriving intersubjective life-world, is therefore equally compromised. In an article published in 1975, Pietro Bellasi contends that, whereas the everyday life-world once had an autonomy which meant that reification was experienced in the residues of unhappy consciousness, at present this life-world has been reduced to a pure abstraction: “As the last remains of unhappy consciousness dissolve . . ., individuality itself seeks its own definitive dissolution in the abstract pseudo- totality of the everyday . . .; eaten away by reification, individuality is only an encrustation of object A number of influential commentators have claimed that some Critical theorists, including Adorno, did not share Mam’s emphasis on the primacy of the economic sphere. Instead, these theorists gave equal, or sometimes greater, stress to the political, cultural and psychological “superstructural” realm. Along with Friedrich Pollock, Adorno and Horkheimer allegedly believed that: “The replacement of the economic means by political means. . . signifies the transition from a predominantly economic to an essentially political era.”’O Although this trend could be seen more easily in the Third Reich, Pollock claimed that it was also visible in non-totalitarian states. According to Helmut Dubiel, in their Dialectic of Enlightenment, Adorno and Horkheimer adapted Pollock’s argument to their own theory and claimed that “domination in highly developed, industrial societies no longer assumes an economic form . . ., but rather an immediately political form”.’’ Pollock‘s analysis was directly challenged by Franz Neumann in his Behemoth. Based on a detailed analysis of the structure and operation of the economy in the Third Reich, Neumann concluded that “the antagonisms of capitalism are 0 The Executive Management Committee/Blackwell Publishers Ltd. 1995 7he Sundmd ?iotalip: Adornof Fmdo-Mar& 199 operating in Germany on a higher and, therefore, a more dangerous level, even if these antagonisms are covered up by a bureaucratic apparatus and by the ideology of the people’s community”.22 Dubiel’s claim that Adorno adopted Pollock‘s belief in the primacy of political over economic factors is based solely on Dubiel’s somewhat questionable reading of Dialectti of Enl&fttenment. That Adorno does not entirely share Pollock‘s view is evident in such essays as ‘Late Capitalism or Industrial Society’. In this late essay, Adorno did argue that “the dynamics of the system as a whole” reveal that “the control of economic processes is increasingly becoming a function of political power”. On a general level, then, and in terms of very general tendencies, there is a move towards political domination. Nonetheless, “there are compelling facts which cannot, in their turn, be adequately interpreted without invoking the key concept of ‘capitalism’. Human beings are, as much as ever, ruled and dominated by the economic process.’Q3 In the realm of human behaviour, domination assumes a psychological form because it is partially bound up with instincts. But although these instincts are psychological in nature, they are thoroughly affected by economic factors. As Martin Jay remarks: “however much he [Adorno] may have moved away from the orthodox Marxist primacy of the economy, he would frequently remind his readers of its continued importance in a still essentially capitalist world” (A, 86). In the “final analysis”, the psychological reality of repression finds its basis in the reality of economic oppression and domination. Furthermore Adorno did not wait until 1968 and his essay on late capitalism to make this point. As early as Minima Moralia Adorno had claimed that the primacy of the economy in decision-making could be demonstrated everywhere (MM, 112-13). This means that the critique of political economy remains in principle an essential feature in Adorno’s analysis despite the fact that Adorno modified and sometimes even rejected many of Marx’s conceptual and diagnostic tools. Unfortunately, it was this very critique which remained under-developed in Adorno’s own work. The lasting importance of economic factors in Adorno’s analysis is matched by his insistence on the survival of a society stratified into classes despite the lack of class consciousness and the “massification” of society. For Adorno, mass society is simply the latest manifestation of class society; it brings class society to fruition. With the new socio-economic order, “the division of society into exploiters and exploited not only continues to exist but gains in force and strength”. What has changed is that the exploited are no longer able “to experience themselves as a class” (RK, 377). The new “mass class” includes both the bourgeoisie and the proletariat. It confronts a new political and economic tlite which “oppresses both those who support it and the worker with the same police threat, imposes on them the same function and the same need, and thus makes it virtually impossible for workers to see through the class relation” (RK, 380). In his Mass .So&& Salvador Giner accused Adorno (and Critical theory in general) of adopting a conservative mass society theory in which the term “mass”

Português

“As pessoas são realmente atomizadas e separadas umas das outras por um abismo intransponível” (RP, 35). Como Freud implicitamente viu, as relações interpessoais "não resultam do livre-arbítrio [dos indivíduos]] nem de seus instintos, mas das leis sociais e econômicas que prevalecem sobre suas cabeças" (RP, 36). Adorno localizou a “raiz sociológica” do narcisismo no fato de que “o indivíduo é obrigado a direcionar sua energia instintiva não utilizada contra si mesmo, porque dificuldades praticamente intransponíveis estão no caminho de qualquer relacionamento espontâneo e direto entre as pessoas hoje” (RP, 33). Embora Habermas reconheça que o “mundo do eu” foi colonizado e que “os subsistemas da economia e do estado se tornaram cada vez mais complexos como consequência do crescimento capitalista, e penetram cada vez mais profundamente na reprodução simbólica do MeworId”, 18 subestima o dano que essa colonização infligiu na esfera das relações interpessoais. Além disso, ignorando a dimensão subjetiva e psicológica da experiência humana, Habermas não pode explicar patologias amplamente documentadas, como o narcisismo sofrido por indivíduos em sociedades industriais que os teóricos críticos foram os primeiros a diagnosticar.A prevalência do narcisismo comprometeu a independência do reino intersubjetivo - um reino que oferece tantas promessas para Habermas quanto uma vez para Lukcs. A racionalidade comunicativa, que pressupõe um mundo da vida intersubjetivo próspero, é, portanto, igualmente comprometida. Em um artigo publicado em 1975, Pietro Bellasi afirma que, embora o mundo da vida cotidiano já tivesse autonomia, o que significava que a reificação era vivida nos resíduos da consciência infeliz, atualmente esse mundo da vida foi reduzido a uma pura abstração: “ À medida que os últimos restos de consciência infeliz se dissolvem. . ., a própria individualidade busca sua própria dissolução definitiva na pseudo-totalidade abstrata do cotidiano. . .; devorada pela reificação, a individualidade é apenas uma incrustação de objetos. Vários comentaristas influentes afirmaram que alguns teóricos da crítica, incluindo Adorno, não compartilhavam a ênfase de Mam na primazia da esfera econômica. Em vez disso, esses teóricos deram ênfase igual, ou às vezes maior, ao domínio "superestrutural" político, cultural e psicológico. Junto com Friedrich Pollock, Adorno e Horkheimer alegadamente acreditavam que: “A substituição dos meios econômicos por meios políticos. . .significa a transição de uma era predominantemente econômica para uma essencialmente política. ”O Embora essa tendência pudesse ser vista mais facilmente no Terceiro Reich, Pollock afirmou que também era visível em estados não totalitários. De acordo com Helmut Dubiel, em sua Dialética do Iluminismo, Adorno e Horkheimer adaptaram o argumento de Pollock à sua própria teoria e alegaram que "o domínio em sociedades industriais altamente desenvolvidas não assume mais uma forma econômica. . ., mas uma forma imediatamente política "." A análise de Pollock foi diretamente contestada por Franz Neumann em seu Behemoth. Com base em uma análise detalhada da estrutura e operação da economia no Terceiro Reich, Neumann concluiu que “os antagonismos do capitalismo são 0 Comitê Executivo de Gerenciamento / Blackwell Publishers Ltd. 1995 7: Sundorndototalip: Adorno de Fmdo-Mar & 199 operando na Alemanha em um nível mais alto e, portanto, mais perigoso, mesmo que esses antagonismos sejam encobertos por um aparato burocrático e pela ideologia da comunidade popular ”.22 Dubiel afirma que Adorno adotou a crença de Pollock na primazia de fatores políticos sobre econômicos é baseada unicamente na leitura um tanto questionável de Dubiel de Dialectti of Enl & fttenment.O fato de Adorno não compartilhar inteiramente a visão de Pollock é evidente em ensaios como "Capitalismo tardio ou sociedade industrial". Neste ensaio tardio, Adorno argumentou que "a dinâmica do sistema como um todo" revela que "o controle dos processos econômicos está se tornando cada vez mais uma função do poder político". Em um nível geral, então, e em termos de tendências muito gerais, há um movimento em direção à dominação política. No entanto, "existem fatos convincentes que, por sua vez, não podem ser adequadamente interpretados sem invocar o conceito-chave de" capitalismo ". Os seres humanos são, como sempre, governados e dominados pelo processo econômico. 'Q3 No domínio do comportamento humano, a dominação assume uma forma psicológica porque está parcialmente ligada a instintos. Mas, embora esses instintos sejam de natureza psicológica, eles são completamente afetados por fatores econômicos. Como Martin Jay observa: “por mais que [Adorno] possa ter se afastado da primazia marxista ortodoxa da economia, ele frequentemente lembrava seus leitores de sua importância contínua em um mundo ainda essencialmente capitalista” (A, 86). Na “análise final”, a realidade psicológica da repressão encontra sua base na realidade da opressão econômica e da dominação.Além disso, Adorno não esperou até 1968 e seu ensaio sobre o capitalismo tardio para apresentar esse argumento. Desde que Minima Moralia Adorno afirmou que a primazia da economia na tomada de decisões podia ser demonstrada em todos os lugares (MM, 112-13). Isso significa que a crítica da economia política permanece, em princípio, uma característica essencial na análise de Adorno, apesar de Adorno ter modificado e às vezes até rejeitado muitas das ferramentas conceituais e diagnósticas de Marx. Infelizmente, foi essa mesma crítica que permaneceu subdesenvolvida no próprio trabalho de Adorno. A importância duradoura dos fatores econômicos na análise de Adorno é acompanhada por sua insistência na sobrevivência de uma sociedade estratificada em classes, apesar da falta de consciência de classe e da "massificação" da sociedade. Para Adorno, a sociedade de massa é simplesmente a mais recente manifestação da sociedade de classes; traz a sociedade de classes à fruição. Com a nova ordem socioeconômica, "a divisão da sociedade em exploradores e explorados não apenas continua a existir, mas ganha força e força". O que mudou é que os explorados não são mais capazes de "experimentar a si mesmos como uma classe" (RK, 377). A nova "classe de massa" inclui tanto a burguesia quanto o proletariado.Ela confronta uma nova elite política e econômica que “oprime aqueles que a apóiam e o trabalhador com a mesma ameaça policial, impõe a eles a mesma função e a mesma necessidade e, portanto, torna praticamente impossível para os trabalhadores ver através da relação de classe ”(RK, 380). Em sua missa. So && Salvador Giner acusou Adorno (e a teoria crítica em geral) de adotar uma teoria conservadora da sociedade de massa na qual o termo "massa"

Termos de Utilização

Todas as traduções feitas são armazenadas no banco de dados. Os dados salvos são publicados no site de forma aberta e anônima. Por este motivo, lembramos que suas informações e dados pessoais não devem ser incluídos nas traduções que você fará. O conteúdo criado a partir de traduções de usuários pode incluir gírias, blasfêmias, sexualidade e elementos semelhantes. Recomendamos não usar nosso site em situações desconfortáveis, pois as traduções criadas podem não ser adequadas para pessoas de todas as idades e locais de interesse. Se, no contexto da tradução dos nossos usuários, houver insultos à personalidade e / ou aos direitos autorais, etc. você pode nos contatar por e-mail, →"Contato"


Política de Privacidade

Terceiros, incluindo o Google, usam cookies para veicular anúncios com base em visitas anteriores do usuário ao seu website ou a outros websites. Com o uso de cookies de publicidade, o Google e os parceiros dele podem veicular anúncios para os usuários com base nas visitas feitas aos seus sites e/ou a outros sites na Internet. Os usuários podem desativar a publicidade personalizada acessando as Configurações de anúncios. Como alternativa, você pode orientar os usuários a acessar o site www.aboutads.info para desativar o uso de cookies de publicidade personalizada de terceiros.